O estranho caso do assassinato de Sharon Lopatka

“Tudo é muito estranho nesse caso,” disse um veterano investigador de polícia sobre o assassinato de Sharon Lopatka. E bota estranheza nisso. No dia de sua morte, quando Sharon...

“Tudo é muito estranho nesse caso,” disse um veterano investigador de polícia sobre o assassinato de Sharon Lopatka.

E bota estranheza nisso.

No dia de sua morte, quando Sharon desceu de um trem em Charlotte, na Carolina do Norte, ela sabia o perigo que a esperava. Pior: ela tinha consciência de que iria morrer. “Se meu corpo nunca for encontrado, não se preocupe, saiba que estou em paz,” escreveu ela para o marido antes da viagem. Suicídio? Nada disso.

Sharon era, digamos, diferente. Indo mais ao ponto, a mulher tinha sinistros desejos sexuais. Nos primórdios da Internet, ela ficou viciada em salas de bate-papo de conteúdo sexual pesado onde conversava anonimamente com pessoas interessadas em coisas como necrofilia, bondage e sadomasoquismo. Ela usava o apelido de “Carlson” e se apresentava como uma dominatrix disciplinadora de 135 quilos pronta para algo “real”.

A ideia de morte decorrente de tortura fascinava Sharon. Ao longo de vários meses ela postou mensagens expressando seu desejo de ser torturada até a morte. Ela recebeu muitas respostas de homens interessados, mas ninguém teve coragem de colocar a fantasia em prática. Fantasiar é uma coisa, passar para a realidade é outra. Em nossas cabeças ou no mundo virtual podemos fantasiar muitas coisas, mas a realidade é bem diferente.

Decidida a alcançar o prazer supremo, Sharon insistiu até encontrar numa sala de bate-papo um insuspeito homem de meia idade, casado e pai de três filhos. Seu nome era Robert Glass e os dois eram perfeitos um para o outro — Sharon queria ser torturada e Robert adorava torturar.

Por meses os dois trocaram e-mails discutindo detalhes da fantasia sexual de Sharon. Em 16 de outubro de 1996 o grande dia chegou e a mulher pôde, enfim, sentir os prazeres da sua fantasia.

Sharon foi encontrada enterrada na propriedade de Robert. À polícia, o homem disse que simplesmente satisfez as fantasias sexuais da vítima. Ele nunca a obrigou a nada. Após a tortura, Sharon pediu para ser estrangulada durante o coito e Robert atendeu de bom grado.

Sem muito o que fazer, a promotoria o acusou de homicídio culposo e Robert foi condenado a pouco mais de quatro anos de prisão.

Curiosidade: Sharon Lopatka foi o primeiro caso documentado da história onde investigadores usaram e-mails para identificar um crime de assassinato. Em 20 de fevereiro de 2002, faltando apenas 15 dias para ser colocado em liberdade, Robert Glass faleceu de um ataque cardíaco.

Referências: [1] Parker & Slate. Social Killers. Amigos Virtuais, Assassinos Reais.com. DarkSide Books. 2015; [2] Woman in search of a brutal death finds it on Internet. Tallahassee Democrat. 30 de Outubro de 1996. Página 1A; [3] Autopsy shows woman was strangled. The Charlotte Observer. 29 de Outubro de 1996. Página 1A; [4] To choose to die on one’s own terms. The Baltimore Sun. 13 de Dezembro de 1996. Página 27A.

Podcasts OAV


Escute os podcasts do Aprendiz Verde em nosso site de podcasts ou no agregador de sua preferência.

Apoie o OAV


Apoie o nosso trabalho. O Aprendiz Verde precisa do seu apoio para continuar a crescer, disponibilizando textos e podcasts de qualidade, assim como o desenvolvimento de outros projetos. Acesse a página abaixo e saiba como apoiar.

Por:


Daniel Cruz
Texto

Assine o nosso projeto no Catarse

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
Apoie

RELACIONADOS

Receba nosso conteúdo por e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail:

OAV TV

OAV TV

Queremos você!

Queremos Você!

OAV Crime no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

OAV Crime no Telegram!

OAV no Whatsapp

OAV Crime no Twitter

As últimas notícias

Categorias

×

Powered by WhatsApp Chat

× Receba nosso conteúdo no WP