Crimes Históricos: Hosana, o padre assassino e psicopata

Hosana de Siqueira e Silva era um padre estranho e virulento. Pra começar, ele andava armado. Que tipo de padre anda balançando um Taurus .32 na cintura? Seu nome...

Hosana, o padre assassino e psicopata

Hosana de Siqueira e Silva era um padre estranho e virulento. Pra começar, ele andava armado. Que tipo de padre anda balançando um Taurus .32 na cintura?

Seu nome foi exposto nas páginas policiais em julho de 1957, quando assassinou a tiros o bispo Dom Expedito Lopes, dentro do Palácio Episcopal de Garanhuns, Pernambuco.

Ele passou um ano tranquilo à espera do julgamento. A todos que perguntavam, dizia não estar preocupado porque “razões muito fortes” levaram-no ao crime, portanto, no final, todos “lhe dariam razão”.

Hosana não tinha qualquer remorso pelo crime que havia cometido. Quando seu julgamento finalmente começou, ficou marcada sua expressão de desprezo e soberba. Ele se comportou de forma arrogante perante o juiz e sempre tinha um sorriso atrevido no rosto. Em sua mente, seus pecados não eram nada demais. Por maior pecador que fosse, o Senhor ainda o perdoaria, portanto, por que se preocupar? Ele se via injustiçado, em uma “via crucis”. Mas tal tormento, também, lhe serviria para o caminho da glória.

Dois psiquiatras, Gaudino Loreto e Rui do Rêgo Barros, o examinaram minuciosamente e concluíram que o insolente religioso tinha “uma personalidade doentia”. O padre era um psicopata.

A investigação apontou um homem cruel, que matava cães a tiros e tinha problemas em seguir regras sociais — coisas típicas de psicopatas. “Impossibilitado de controlar seus impulsos”, Hosana atritou com os seus superiores da igreja, brigou com políticos, ameaçou pessoas e se barulhos na rua o incomodavam, ele dispersava os boêmios à bala.

Ele também não conseguia ficar longe dos prazeres carnais. Quando a igreja descobriu a respeito, o orientou a parar. Quando não o fez, o bispo Lopes o puniu. Este foi o motivo que fez o padre viajar até Garanhuns para acertar as contas.

Em um julgamento todo bagunçado, os jurados desclassificaram o crime de doloso para culposo e o juiz aplicou uma pena de 4 anos de prisão. O júri foi anulado e no segundo julgamento os jurados concordaram por 4×3 que o padre matou o bispo “em defesa da honra”. Havia, também, a atenuante de “violenta emoção após ato injusto da vítima”.

No fim, Hosana, o padre psicopata, foi absolvido.

O padre Hosana nem chegou a sair da cadeia, pois o Tribunal de Justiça de Pernambuco atendeu a um recurso do Ministério Público e anulou o segundo julgamento. Enquanto aguardava seu terceiro julgamento, o padre continuou causando problemas; foi punido por indisciplina e fez greve de fome. No terceiro júri, Hosana foi condenado a 14 anos de prisão. O MP apelou novamente, dessa vez afirmando que a pena fora muito branda. O TJPE acatou o pedido e aumentou a pena para 19 anos. Hosana cumpriu 10 anos e saiu em liberdade condicional em 1969.

O caso teve repercussão internacional na época, sendo esta, a primeira vez em que um padre matou um bispo na América Latina (alguns dizem de toda história da Igreja Católica).

Em 1997, aos 85 anos, o padre Hosana foi brutalmente assassinado a pauladas na fazenda onde morava, em Correntes, Pernambuco. O homicídio nunca foi elucidado.

Curiosidade: o primeiro julgamento foi chamado pela imprensa da época de “o julgamento do século”. A destacar o trabalho dos advogados, que usaram a tese da legítima defesa da honra, hoje proibida.

Fontes consultadas: [1] Crime Espera o Remorso. Revista Manchete. Edição 333. 6 de Setembro de 1958. Página 53; [2] Três Tiros Abalaram a Igreja. Revista Manchete. Edição 273. 13 de julho de 1957. Página 70; [3] As quatro máscaras de Hosaná para o público. Revista Manchete. Edição 359. 7 de março de 1959. Página 62; [4] O Padre Matou o Bispo. O Cruzeiro. Edição 40. 20 de julho de 1957. Página 7; [5] Presidente do TJ. Indeferiu Recurso do Adv. de Hosana: Fixada A Pena de 19 Anos. Diário de Pernambuco. 31 de out. 1964. Página 7; [6] Hosana Continua Vencendo a Fome: Diretor Quer Vê-lo Fora da Detenção. Diário de Pernambuco. 23 de Out. de 1960. Página 7; [7] Diretor Preocupado: Embora Já Acometido de Edema, Hosana Enfrenta Greve da Fome. Diário de Pernambuco. 22 de Out. de 1960. Página 7; [8] Haverá Apelação da Sentença de Hosana: Jurados Condenaram e Depois Absolveram. Diário de Pernambuco. 1 de Mai. de 1960. Primeiro Caderno; [9] Matador de Dom Expedito Volta Hoje Ao Banco dos Réus. Diário de Pernambuco. 29 de Abr. de 1960. Página 5; [10] Como Sacerdote Ou Como Presidiário, Hosana Tem Na Indisciplina Uma Constante Em Sua Vida. Diário de Pernambuco. 24 de Abr. de 1960. Página 13.

Escute os podcasts do OAV Crime em nosso site de podcasts ou no agregador de sua preferência.

Apoie o OAV


Apoie o nosso trabalho. O OAV Crime precisa do seu apoio para continuar a crescer, disponibilizando textos e podcasts de qualidade, assim como o desenvolvimento de outros projetos. Acesse a página abaixo e saiba como apoiar.

Por:


Daniel Cruz
Texto

Assine o nosso projeto no Catarse

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:

RELACIONADOS

Receba nosso conteúdo por e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail:

OAV Crime no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

OAV Crime no Twitter

As últimas notícias

Categorias

×