Anatoly Nagiyev, o louco: um bicho sanguinário

Anatoly Nagiyev tinha uma maneira particular de resolver seus problemas: usando os punhos. Desde cedo levantando pesos, adquiriu uma força fora do comum e a usava para se impor....

Anatoly Nagiyev tinha uma maneira particular de resolver seus problemas: usando os punhos. Desde cedo levantando pesos, adquiriu uma força fora do comum e a usava para se impor. Agressivo, todos morriam de medo dele. Mas apesar do vigor físico e boa aparência, Nagiyev não teve sucesso com as meninas, talvez por sua baixa estatura, característica que o fez objeto de ridículo na infância e adolescência. Como consequência, desenvolveu um complexo de inferioridade e ódio patológico de mulheres, ao ponto de começar a estuprá-las aos 17 anos.

Preso, só não foi abusado na prisão porque espancou cada um que se atreveu a olhar para ele. E foi na cadeia que Nagiyev ouviu pela primeira vez Alla Pugacheva, diva-mor da música russa. Obcecado por ela, Nagiyev planejou estuprá-la quando saísse da prisão. Em 1979, já em liberdade condicional, conheceu Olga Demyanenko, que se parecia muito com a cantora. Ele a esfaqueou 30 vezes e violou o cadáver ensanguentado. Quatro meses depois, viajando de trem, aproveitou os vagões praticamente vazios e se insinuou para a passageira Daria Kravchenko. Quando a moça disse não, Nagiyev a esfaqueou até a morte e fez sexo com o corpo.

Até julho de 1980, Nagiyev estuprou mais de 30 mulheres em várias cidades, então decidiu visitar sua diva musical. Ele pegou o último horário da linha Kharkov-Moscou e se interessou pela maquinista. A mulher se sentiu insultada pela proposta indecente, então Nagiyev tirou uma faca de caça da cintura e a trucidou. Outra maquinista viu a cena e também foi morta. Nagiyev, então, percorreu os vagões à procura de mais mulheres. Alheias ao que se passava, as passageiras Maria Lopatkina e Tatiana Kolesnikova se tornaram as próximas vítimas do louco. Os corpos massacrados das quatro foram jogados do trem em movimento.

Preso e condenado à morte, Nagiyev fugiu durante uma transferência. Ao ser encontrado meses depois, atacou os policiais com um cutelo e foi alvejado com 15 tiros, mas sobreviveu, e até o último segundo de vida fez jus ao seu apelido: destruiu o dedo de um carcereiro e quase estrangulou outro.

Sua fúria doentia foi silenciada rapidamente após sair do hospital — com uma bala na nuca.

Desde criança Nagiyev teve comportamentos antissociais, como fugir de casa e da escola. Foi um aluno medíocre, inclinado a resolver seus problemas com socos e pontapés. Mas ele gostava de esportes e desde cedo praticou fisiculturismo e ginástica. Ficou tão forte que podia enfrentar vários homens ao mesmo tempo.

Após matar as quatro mulheres no trem Kharkov-Moscou, Nagiyev serpenteou para dentro da casa da cantora Alla Pugacheva e estava prestes a pegá-la quando avistou um guarda. O guarda não o conhecia, mas pensou que fosse um convidado da cantora, então perguntou quem ele era e Nagiyev simplesmente empreendeu fuga.

Ele foi pego pela polícia quando investigadores rastrearam as joias que ele roubou das vítimas no trem. Ele as vendeu e a investigação chegou nele. Preso em 12 de setembro de 1980, Nagiyev foi colocado numa cela com mais dois presos. Ele atacou os dois. Um perdeu a visão de um olho e o outro por pouco não ficou tetraplégico. Ao ser levado para um interrogatório, quebrou as algemas apenas com a força, atacou os guardas e tentou fugir. Ele foi transferido para um lugar mais seguro até o seu julgamento em Kursk.

Condenado à morte, em 19 de agosto de 1981 Nagiyev foi transferido para a prisão de Novocherkassk, onde seria executada sua sentença de morte. Mas ao chegar lá, conseguiu fugir e permaneceu dois meses em fuga. Para arrastá-lo de volta à prisão foram necessários vários policiais e 15 tiros no corpo. Ele sobreviveu graças à sua musculatura avantajada e perícia dos médicos, que passaram horas com ele na sala de cirurgia. Pouco depois de receber alta, e entendendo que tal aberração deveria ser logo executada, autoridades deram carta branca para a execução.

Na manhã de sua morte, vários carcereiros o arrastaram até a sala. No caminho, arrancou a mordidas um pedaço do dedo de um e quase matou outro estrangulado. A data de sua execução é listada pelos soviéticos como sendo em 28 de outubro de 1981.

Referências: [1] «Живым этого зверя не брать» Этот маньяк убивал девушек и охотился на Пугачеву. Он был так силен, что рвал наручники. Lenta. 2019; [2] Легенды советского сыска “Охотник за Аллой Пугачевой”. [Lendas da Detecção Soviética]. Disponível no YouTube: [@]DeniJRS.

Siga OAV Crime no Instagram


Apoie o OAV


Apoie o nosso trabalho. O OAV Crime precisa do seu apoio para continuar a crescer, disponibilizando textos e podcasts de qualidade, assim como o desenvolvimento de outros projetos. Acesse a página abaixo e saiba como apoiar.

Por:


Daniel Cruz
Texto

Assine o nosso projeto no Catarse

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:

RELACIONADOS

Receba nosso conteúdo por e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail:

OAV Crime no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

OAV Crime no Twitter

As últimas notícias

Categorias

×